Levando a sério o jornalismo 24 horas por dia.

Portuguese English French Italian Japanese Spanish

Família de Karina Firmino vai levar o caso ao novo secretário da Segurança Pública e pedir o fim da impunidade dos assassinos

Karina Firmino hoje

Karina, 21 anos: assassinada por pistoleiros em Acopiara

A impunidade que envolve a morte da jovem Karina Firmino na cidade de Acopiara, na Região Centro-Sul do Estado (a 340Km de Fortaleza), deve levar a população daquele Município novamente às ruas para protestar por justiça. A família da vítima, por sua, vez, deverá buscar audiência com o novo secretário da Segurança Pública do Estado, André Costa; e com o recém-empossado delegado-geral da Polícia Civil, Everardo Lima.

Nove meses depois da morte da garota, os familiares e amigos lutam, por justiça, já que os assassinos (mandantes e executores) estão na mais completa impunidade. O inquérito instaurado para apurar o crime tramita em sigilo no Núcleo de Homicídios da Delegacia Regional de Polícia Civil de Juazeiro do Norte, no Cariri, mas até agora não teve nenhum resultado prático que levasse os assassinos para a cadeia.

Vazio

A família da vítima colaborou com todas as informações necessárias para o trabalho da Polícia e da Justiça, assim como o advogado contratado para acompanhar a investigação.

Contudo, para os amigos e familiares de Karina, o vazio no peito revela a sensação de impotência diante da falta de resolução das investigações. Os assassinos permanecem soltos em Acopiara, como se nada tivesse acontecido.

O crime

A jovem Karina Firmino foi morta por pistoleiros na noite de 4 de maio do ano passado na porta de sua residência, na sede do Município de Acopiara. Ela vinha sofrendo ameaças de morte, pois havia engravidado e dado a luz a uma criança fruto de um caso amoroso com um policial militar (soldado do Ronda do Quarteirão) casado com uma escrivã da Polícia Civil. O militar é membro de uma família de políticos de Acopiara.

Por ordem do então delegado-geral da Polícia Civil, Andrade Júnior, o inquérito sobre o assassinato foi transferido para Juazeiro, já que a escrivã esposa do PM trabalhava na delegacia de Acopiara. 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar