Levando a sério o jornalismo 24 horas por dia.

Homicidômetro - Assassinatos no Ceará 2018

3.137

Atualizado em 21/8/2018  

Ministério da Justiça enviará força-tarefa ao Ceará para auxiliar na investigação da chacina que deixou 14 mortos

MInistro da Justiça

Ministro da Justiça, Torquato Jardim rebateu as declarações do governador Camilo Santana

O Ministério da Justiça e da Segurança Pública (MJSP) anunciou que vai colaborar com as autoridades cearenses no combate à violência. Após a chacina que deixou 14 mortos e 18 feridos em Fortaleza, o órgão federal informou que uma força-tarefa federal vai atuar na investigação do caso e na ação de repressão às facções criminosas. O anúncio foi feito, neste domingo (28), pelo titular da Pasta, ministro Torquato Jardim.

Já o governador Camilo Santana (PT) anunciou três medidas emergenciais que serão adotadas após a matança.  A primeira, será a criação de um Centro Integrado nos moldes da Ciops (Coordenadoria Integrada de Operações de Segurança) que vai reunir representantes da própria Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS e suas vinculadas (Polícia Civil, Polícia Militar, Corpo de Bombeiros Militar, Perícia Forense do Ceará e Academia Estadual da Segurança Pública), além da Secretaria da Justiça e da Cidadania (Sejus), Ministério Público, Poder Judiciário, Polícia Federal e Defensoria Pública.

A segundo medida anunciada a criação, por parte da Polícia Federal, de um grupo especializado que irá investigar a ação das facções criminosas no estado.

E a terceira medida será adotada pelo Tribunal de Justiça do Estado do Ceará (TJCE), que deve criar uma Vara especializada para apurar os crimes atribuídos às facções criminosas.

Centro

Conforme o governador, no centro integrado que vai reunir representantes de vários organismos da Segurança Pública serão traçadas as medidas que viam agilizar o combate ao crime organizado. Ele aproveitou a oportunidade para, mais uma vez, transferir para o governo federal a responsabilidade pela criminalidade no Ceará.

“Estamos pagando um preço muito alto pela ação dessas facções, que brigam por território. São grupos armados, criminosos, que se formaram no Rio de Janeiro e São Paulo”, admitindo pela primeira vez, publicamente, o poder dos grupos criminosos que hoje dominam o estado.

Rebateu

O ministro da Justiça rebateu as declarações do governador Camilo Santana, que tanta transferir para o governo federal as responsabilidades pelo fracasso no combate à violência no Ceará. O estado apresentou índice recorde de crimes em 2017. Camilo agora repete que o estado é "vítima" da ação das facções originárias do Rio de Janeiro e São Paulo e diz que o Governo Federal não tem impedido a entrada de armas e drogas no País. 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar