Levando a sério o jornalismo 24 horas por dia.

Homicidômetro - Assassinatos no Ceará 2018

1.590

Atualizado em 19/4/2018  

Almirante e secretário vão à sede da Pefoce agilizar a identificação dos chefes do PCC mortos no Ceará

Alexandre Mota Costa hoje

Almirante Alexandre Mota e o secretário da Segurança, André Costa, vão a sede da Pefoce

Corpos dos chefões do PCC

Corpos dos dois bandidos foram localizados na sexta-feira, numa reserva indígena, em Aquiraz

Gegê do Mangue

Jeremias de Simone, o "Gegê do Mangue", líder do PCC, foi morto no Ceará

O secretário da Segurança Pública do Ceará, delegado federal André Costa, e os membros da força-tarefa federal que chegou ao Ceará nesta madrugada de segunda-feira (19), estão sendo aguardados no começo da tarde de hoje na sede da Perícia Forense do Ceará (Pefoce). Eles vão ao necrotério da Coordenadoria de Medicina Legal (Comel) observar os corpos dos dois líderes do PCC mortos no Ceará na semana passada. Além de Costa, o almirante da Marinha do Brasil, Alexandre Araújo Mota, estará presente com agentes da Polícia Federal. O objetivo é agilizar a identificação dos mortos.

O prédio onde funciona a Comel/Pefoce (antigo Instituto Médico Legal/IML), situado na Avenida Leste-Oeste, no bairro Moura Brasil (zona Central da Capital), continua com a sua segurança reforçada pela Polícia Militar. Desde a noite de ontem (domingo), policiais do Batalhão de Choque (BPChoque), Raio (BPRaio) e do Batalhão de Policiamento Rodoviário Estadual (BPRE) estão mobilizados no local, diante da informação de que bandidos pretendiam resgatar os cadáveres dos líderes do PCC.

Os corpos dos dois membros do PCC, executados a tiros na Reserva Indígena Lagoa Encantada, em            Aquiraz, na noite da última quinta-feira (15), e encontrados na tarde de sexta (16), permanecem oficialmente, sem identificação. Peritos daquela instituição informam que, caso não haja reconhecimento e identificação formal no prazo de até 30 dias, os cadáveres serão sepultados pelo estado. Porém, são coletadas amostras de sangue e vísceras para a realização de comprovação por meio de exame de DNA.

Informalmente

Os mortos foram informalmente identificados como: Rogério Jeremias de Simone, o “Gegê do Mangue”; e Fabiano Alves de Sousa, o “Paca”, apontados como os líderes do PCC fora da cadeia. Acima deles na hierarquia a organização criminosa estaria somente o assaltante, latrocida e narcotraficante Marcos Herrera Herbas Camacho, o “Marcola”, que, atualmente, cumpre pena numa penitenciária federal de segurança máxima, em São Paulo.

Para o Ministério Público de São Paulo, que, através do Grupo Especial de Combate às Ações do Crime Organizado (Gaeco), investiga há anos o PCC, as mortes de “Gegê do Mangue” e de “Paca” pode ter sido obra da própria facção. A ordem para eliminá-los teria sido dada por “Marcola” diante da desobediência às suas determinações no gerenciamento do crime no País.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar