Levando a sério o jornalismo 24 horas por dia.

Homicidômetro - Assassinatos no Ceará 2018

3.649 em 24/9/2018  

Centro Regional de Inteligência vai ser instalado no Ceará

Intermitente piscandoIntermitente piscando Intermitente piscando

SIRENE ABERTA Fernando Ribeiro

Centro de Inteligência

A instalação de um Centro Integrado de Inteligência e Controle para o Combate ao Crime Organizado em Fortaleza foi confirmada nesta quarta-feira (7) pelas autoridades do governo federal, em Brasília. Foi um esforço pessoal do senador cearense Eunício Oliveira (MDB) junto ao presidente Temer. Neste momento em que o Ceará passa por crise aguda de violência e insegurança, a chegada deste importante órgão deve ser aplaudida por todos nós cearenses. Eunício não mediu esforços na Presidência do Senado para buscar a solução diante da inoperância do estado em conter o avanço da criminalidade. E os números só confirmam essa verdadeira guerra travada nas ruas de Fortaleza, da sua região metropolitana e do interior. Em menos de três meses, já são mais de mil assassinatos.

O Homicidômetro disparou neste começo do mês de março, com uma escalada de crimes de morte em todos os recantos do estado, até mesmo naquelas cidadezinhas de pequeno porte no interior, onde antes a paz reinava. São crimes que desafiam a capacidade da Polícia de estancá-los. Se na Capital a presença maciça de novos policiais militares (soldados) nas ruas não inibiu os criminosos, imagine no interior, onde os efetivos das unidades de segurança são diminutos. Sabendo disso, a bandidagem faz a festa. No intervalo de apenas três dias (ou 72 horas), duas dessas pequenas cidades foram atacadas por quadrilhas armadas: Santana do Cariri e Santa Quitéria. Em ambas, agências bancárias foram explodidas, cidadãos tomados como reféns e os destacamentos da Polícia Militar alvejados com tiros de fuzil. A população ficou em pânico e também no prejuízo, já que as agências passarão muito tempo sem funcionar.

TRABALHO SILENCIOSO

Já são quase quatro semanas da presença da Força-Tarefa do Ministério da Justiça em Fortaleza e, até agora, nenhuma ação midiática aconteceu diante do propósito de combate ao crime organizado. Os policiais federais e da Força Nacional de Segurança que desembarcaram aqui com a missão de auxiliar a Polícia local a combater o crime organizado estão trabalhando em silêncio. Estão levantando informações e identificando os “cabeças” do crime. Os resultados desse trabalho não serão imediatos, mas a médio prazo. Essa é a expectativa dos gestores da Segurança Pública local. O trabalho é de inteligência e vai além das operações pontuais e cinematográficas que causam muito impacto na mídia, mas que na prática têm parcos resultados. Dessa investigação sigilosa deverão resultar dezenas de pedidos de prisão e de busca e apreensão, daí a importância da parceria da Força-Tarefa com o Ministério Público Estadual (MPE) e com o Judiciário.

CENTRO INSEGURO

A insegurança e violência no Centro de Fortaleza se agravam todos os dias. Empresários, comerciantes e entidades que congregam o comércio local já estão cansadas de cobrar providências às autoridades da Segurança Pública, mas não conseguem uma resposta eficaz para sanar o problema. As principais praças da Malha Central – do Ferreira e José de Alencar – estão lotadas de pequenos traficantes de drogas e seus “aviões”. Duas “cracolândias”, ao menos, funcionam no perímetro e nenhuma repressão sofrem por parte de quem de direito. Nesta semana, dois assassinatos ligados diretamente ao tráfico ocorreram no Centro, entre eles, o de uma mulher, morta a tiros na Rua Visconde do Rio Branco, ao lado da Cidade da Criança. Já na madrugada desta sexta-feira (9), um jovem foi assassinado na esquina das ruas São Paulo e 24 de Maio. Nos dois casos, a motivação foi dívida de drogas. A tendência é o aumento deste tipo de crime, já que a ação de combate ao tráfico não acontece.

AGENTES NA MIRA DO CRIME

A situação dos agentes penitenciários cearenses é grave. A categoria responsável por impor a disciplina nas unidades do Sistema Penal vem sendo alvo de constantes ataques do crime organizado. Segundo documento elaborado pela própria Secretaria da Justiça e da Cidadania (Sejus), as visitas físicas e íntimas estão servido para que os bandidos presos, ligados à facções criminosas, planejem ataques ou mandem recados ameaçadores para os agentes. Há uma semana, uma dessas ameaças se concretizou, quando um agente foi assassinado na cidade de Orós, onde trabalhava na cadeia pública. Diante da gravidade do momento, a Sejus decidiu impor uma disciplina mais dura nas unidades prisionais. Dez cadeias que fazem parte da região Centro-Sul do estado ficarão sem receber visitas pelo prazo de um mês. Nesse período, vão passar por operações de varredura para a retirada de material ilícito das celas, principalmente, armas de fogo, munições e telefones celulares.

CENAS DE BARBÁRIE HUMANA

Após cinco dias de intensas buscas, nesta sexta-feira (9) o Corpo de Bombeiros localizou os restos mortais das três garotas que foram seqüestradas, torturadas e assassinadas, na semana passada, no mangue do Rio Ceará, no bairro Vila Velha, zona Oeste de Fortaleza. O que chamou a atenção nesta história foi a forma cruel como os criminosos agiram. Cenas de uma barbárie humana foram postadas nas redes sociais pelos próprios assassinos. As três garotas foram submetidas a torturas física e psicológica, para depois serem mortas de forma mais perversa possível. Uma delas teve braços e pernas cortados quando ainda estava viva. Outra recebeu um tiro na cabeça no momento que implorava para que poupassem a sua vida. Acrescente-se a isso o fato de os bandidos terem filmado tudo e postado as cenas nas redes sociais. A Indignidade tomou de conta de quem assistiu aos vídeos. Já a Justiça parece dominada pela insensibilidade e logo soltou um adolescente apreendido sob suspeita de ter participado do crime macabro. Por “falta de provas”, o garoto- foi mandado para casa menos de 24 horas após ser detido pela Polícia Civil.

MULHERES DESPROTEGIDAS

No Dia Internacional da Mulher, comemorado nesta quinta-feira (8), a Imprensa cearense revelou mais um descaso do governo com a Segurança Pública. O descumprimento à própria Constituição do Estado, que determina a instalação de Delegacia de Defesa da Mulher em todos aqueles Municípios cuja população seja igual ou superior a 60 mil habitantes. Nesta condição, o Ceará tem, ao menos, 28 cidades, mas apenas em 10 delas existe uma Especializada. Sem uma unidade que possa realizar um atendimento voltado para coibir a violência contra a mulher, as vítimas de agressões e ameaças ficam completamente desprotegidas. Em contrapartida, o governo anunciou que irá instalar uma DDM na cidade do Icó (a 380Km de Fortaleza). As demais permanecerão sem o órgão que deveria funcionar para tirá-las da situação de violência. Enquanto isso, o número de mulheres assassinadas cresce vertiginosamente no Ceará. Neste ano, em dois meses e nove dias, já são 117 mortes.

E TEM MAIS!!!

* Polícia do Ceará investiga a morte de um ex-policial militar do estado de São Paulo. O crime aconteceu em Jericoacoara, um dos cartões-postais do nosso Estado. O ex-militar foi executado sumariamente a tiros na porta de sua fábrica de gelo, atividade que abraçou aqui.

* Mais de mil homicídios já foram registrados no Ceará em apenas dois meses e nove dias de 2018. A estatística mostra que, se não houve um freio, o estado poderá bater seu próprio recorde na taxa de assassinatos. O ano de 2017 fechou com, nada menos, que 5.144 crimes de morte.

* Prefeitura de Fortaleza está ultimando as providências para a inauguração da segunda Torre de Proteção Urbana. Ela está instalada ao lado da Areninha da comunidade Goiabeiras, na Barra do Ceará. O vice-prefeito, Moroni Torgan, quer inaugurar, ainda neste semestre, mais três torres.

* No projeto de requalificação da Avenida Beira-Mar está prevista a instalação de torres de vigilância. Elas serão no mesmo estilo das que estão sendo implantadas pelo Plano Municipal de Proteção Urbana (PMPU), porém, menores. A orla de Fortaleza, portanto, ficará mais segura.

* Quase termina em bala um incidente entre policiais da DHPP e da Coin (Inteligência), nas ruas do bairro Edson Queiroz. Os primeiros faziam investigações veladas e os outros chegaram abordando os homens armados e à paisana, sem saber que estavam diante de colegas. Tudo, por falta de comunicação entre os setores de Inteligência.

* O Batalhão de Polícia de Choque (BPChoque) deverá receber, em breve, cerca de 60 novas viaturas. Já o Batalhão Raio (BPRaio) vai contar com motocicletas mais potentes (mais cilindradas). O Comando do Policiamento Especializado (CPE), ao qual os dois batalhões estão subordinados, é um dos órgãos mais eficientes na PM. Tem no comando o coronel Aginaldo Oliveira, formado no Bope.

E A PERGUNTA DO DIA: Até quando ocorrerão cenas de barbaridade (pessoas esquartejadas, degoladas ou queimadas vivas) praticadas pelas facções criminosas em Fortaleza???

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar