Levando a sério o jornalismo 24 horas por dia.

Homicidômetro - Assassinatos no Ceará em 2018

4.020 em 23/10/2018  

Após três anos de espera, candidatos aprovados são chamados pata ingressar na PM

Intermitente piscandoIntermitente piscando Intermitente piscando

SIRENE ABERTA   

Fernando Ribeiro

Concurso 2

Muitos dos candidatos já não tinham mais esperança de ingressar nas fileiras da PM

Faltando pouco mais de uma semana para o 1º turno das eleições, o governo do estadual fez um anúncio na área da Segurança Pública que surpreendeu: decidiu convocar os aprovados no concurso para o cargo de oficial da Polícia Militar. O que chama a atenção é que o certame foi realizado há exatos cinco anos, foi em 2013. De lá até hoje, os aprovados perderam completamente a esperança de que um dia viessem a ser convocados para ingressar nas fileiras na Corporação. Muitos fizeram outros concursos e já estão bem empregados, outros desistiram de entrar para a vida policial.

VÍTIMAS DA IMPUNIDADE

Mais uma vez o governo investe na Polícia ostensiva e deixa de lado a Polícia Judiciária. Um erro que custou caro ao gestor maior do estado neste seu primeiro mandato. A explosão do número de assassinatos no estado é a prova cabal de tudo isto. Mais de 16 mil pessoas foram assassinadas no Ceará entre janeiro de 2015 e agosto de 2018. A média é de quatro mil homicídios/ano. Contudo, no ano passado, este número extrapolou a casa dos cinco mil. Foram exatos, 5.332, conforme atesta o Mapa da Violência publicado anualmente pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Investir no policiamento ostensivo é uma necessidade. Investir na Polícia Judiciária é um imperativo. Delegacias estão abarrotadas de inquéritos inconclusos. São dezenas e centenas de assassinatos sem solução, com as famílias das vítimas chorando por justiça, enquanto milhares de assassinos gozam da mais ampla impunidade, pois não foram alcançados pelos braços da lei. Este é o Ceará de hoje.

CRIME DE ENCOMENDA

Um mês após o assassinato do presidente da Câmara dos Vereadores de Itaitinga, na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF), a Polícia Civil afunila as investigações e já está bem próxima de chegar ao mandante do crime. O vereador João Roberto de Oliveira Martins foi executado sumariamente na porta da Câmara Municipal no dia 31 de agosto. O crime foi filmado pelas câmeras da própria Câmara. Os indícios revelam que o assassinato pode ter sido “encomendado” de dentro de uma das cinco Casas de Privação Provisória da Liberdade (CPPLs) instalada naquele mesmo Município. E o motivo do crime? Também há indícios de que pode ter sido passional. As especulações em Itaitinga são muitas. A Polícia trabalha silenciosamente, e vai tocando os depoimentos e colhendo provas e indícios. Não será surpresa se, já na próxima semana, sejam apresentados os resultados da apuração policial. Aguardem.

CHEFÃO DO CRIME

A Imprensa noticiou nesta semana mais uma ameaça que persiste dentro do Sistema Penitenciário cearense. O bandido apontado como fundador da facção criminosa Guardiões do Estado (GDE), permanece no estado, quando já deveria ter sido transferido para uma penitenciária federal de segurança máxima e passar a cumprir Regime Disciplinar Diferenciado (RDD). Trata-se de Auricélio Sousa Freitas, o “Celinho da Babilônia”, apontado pelas autoridades como de altíssima periculosidade e suspeito de dezenas de mortes nos últimos quatro anos. Além de fundar a facção que hoje está em guerra com o Comando Vermelho (CV), deixando dezenas de mortos nas ruas. A presença de bandidos deste tipo nas unidades penais do Ceará já deveria ter sido banida há muito tempo, pois só alimenta a violência no estado, já que por aqui não sequer previsão de instalação de bloqueadores de sinal de celular nos presídios. De dentro da cadeia, “Celinho” continua no comendo da facção. Seus advogados querem que ele seja transferido de presídio. Pois esta é a hora de levá-lo para bem longe!

BOTAR GENTE NA CADEIA

Sob o comando direto do Ministério da Segurança Pública, foi realizada em todo o Brasil (com exceção do estado do Amazonas), na última quarta-feira, a terceira etapa da “Operação Midas”, cujo objetivo foi a prisão de centena de foragidos da Justiça brasileira. A prioridade nesta terceira versão foi a captura de bandidos responsáveis por crimes de latrocínio (roubo seguido de morte) e integrantes de quadrilhas envolvidas em roubo de veículos e de cargas. Centenas de mandados judiciais foram cumpridas pelo Brasil afora. No Ceará 33 pessoas acabaram atrás das grades. Resultado pífio, já que o estado cumula mais de 58 mil mandados de prisão. São pessoas foragidas por terem praticados crimes de todos os tipos, desde a falta de pagamento de pensão alimentícia a delitos graves como estupros, assaltos a bancos e assassinatos. Em todo o País, foram efetuadas 1.500 prisões, além da apreensão de dezenas de armas de fogo e recuperação de 75 veículos roubados. A operação faz parte já das atividades operacionais do recém-criado Sistema Único de Segurança Pública (SUSP).

A MORTE DE DÉBORA

Era por volta de nove da noite da última quarta-feira quando uma jovem de 19 anos, seguia a pé pela Rua Marechal Bittencourt, no bairro Boa Vista (Castelão), em Fortaleza. A garota seguia para o culto em uma igreja evangélica próxima de sua casa. Estava buscando sair definitivamente do vício das drogas. Não teve tempo. Sua caminhada foi interrompida com uma sequência de tiros, a maioria na cabeça. Ali mesmo caiu morta Vitória Débora Costa. Foi um crime brutal, mas que para os organismos da Segurança Pública representa tão somente mais um número na estatística mensal dos Crimes Violentos, Letais e Intencionais (CVLIs). Débora entrou para a lista das 35 mulheres assassinadas no Ceará no intervalo de apenas 27 dias do mês de setembro, que ainda não acabou. No ano, esse número é 361, na lista de mulheres mortas no Ceará em 2018. Quem matou Débora? Certamente a resposta terá que dada à família da garota. Mas, diante de tantos crimes que acontecem diariamente no estado, será “mais um” com sério risco de engrossar a fila da impunidade.

BANCADA DA BALA

Delegados, inspetores, escrivães, praças e oficiais das polícias Civil e Militar estão entre aqueles que concorrem nestas eleições de 2018 no Ceará. Almejam vagas na Assembleia Legislativa do estado e no Congresso Nacional. Alguns já exercem mandatos e, por conta disso, são concorrentes mais fortes na corrida eleitoral, caso dos deputados Cabo Sabino, Capitão Wagner, vereador Julierme e soldado Noélio. Outros estão estreando na política e alguns voltando, como o delegado Cavalcante (que já foi deputado estadual em duas legislaturas). O delegado César Wagner Martins também tenta uma cadeira no parlamento estadual. Já foi o chefe (superintendente) da Polícia Civil do Ceará. O fato é que a cada eleição, mais representantes da Segurança Pública participam da disputa. Bom para o fortalecimento da categoria, que ainda hoje sofre com péssimos salários, especialmente os praças da PM e os inspetores e escrivães da Polícia Judiciária. Mudar é preciso.

E as expulsões de cidadãos e suas famílias de seus lares continuam a desafiar as autoridades no Ceará. No caso mais recente, isso acontece em Caucaia, na Região Metropolitana de Fortaleza. Bandidos que se intitulam de membros de facções criminosas, estão pichando as fachadas de residências e de pontos comerciais, determinando que os moradores deixem os imóveis em até 24 horas. Temendo a ação dos criminosos, os cidadãos preferem obedecer. Isso já aconteceu em diversos bairros de Fortaleza, como o Barroso, Passaré e São Miguel. O caso agora se estende pela zona metropolitana, em autêntico e real desafio às autoridades policiais. A presença das facções em comunidades da periferia leva a uma realidade quando impossível de ser imaginada. Os cidadãos viraram reféns do crime. Escolas e postos de saúde só funcionam quando os bandidos autorizam. A pergunta é: apelar pra quem???

E TEM MAIS !!!

* Moradores do bairro Padre Júlio Maria, em Caucaia, estão apavorados com a onda de terro imposta pelas facções. Nesta sexta-feira, criminosos passaram de porta em porta ordenando um toque de recolher em plena manhã de sexta-feira. O pânico é geral.

* A população do bairro Vila Velha, na zona Oeste de Fortaleza, passa a respirar mais aliviada. Chegaram ali as ações da Guarda Municipal de Fortaleza (GMF) e da Polícia Militar, através da instalação de mais um Célula de Segurança do Plano Municipal de Proteção Urbana (PMPU).

* A Polícia investiga a morte estranha (e suspeita)nde uma menina de 12 anos ma cidade de Camocim, no Litoral Leste (a 273Km de Fortaleza). A garota deu entrada no hospital de Jijoca de Jericoacoara na noite de quinta-feira e faleceu em seguida. Há suspeitas de maus-tratos.

* Repercutiu em todo o Nordeste a operação montada pela Polícia Federal junto com as polícias de Pernambuco e Bahia na última quarta-feira. Uma quadrilha que pretendia roubar malotes bancários embarcados em um avião, acabou aniquilada num tiroteio com as forças policiais.

* Comando da 10ª Região Militar já está concluindo o plano operacional que vai botar três mil militares nas ruas de Fortaleza, Caucaia, Maracanaú, Sobral e Juazeiro do Norte, no próximo dia 7. O efetivo vai dar reforço ao contingente da PM, Polícia Civil e PF nas eleições do Ceará.

A PERGUNTA DO DIA: (De novo!!) Cadê a Força-Tarefa que veio de Brasília investigar crimes no Ceará???

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar