Levando a sério o jornalismo 24 horas por dia.

Homicidômetro - Assassinatos no Ceará em 2019

948 em 22/5/2019  

Polícia Militar é atingida por crise disciplinar com vários oficiais e praças investigados e presos

policiais presos 1

Policiais do BPMA foram presos em Sobral e Tianguá, acusados de um esquema de propina

Uma crise disciplinar se abateu sobre a Polícia Militar do Ceará. Após a prisão de nove policiais militares do Batalhão de Meio Ambiente (BPMA), na Zona Norte do estado, por crimes de corrupção e formação de quadrilha, outros dois PMs foram detidos em flagrante nesta terça-feira quando extorquiam e traficavam drogas na zona Oeste da Capital. Em um terceiro episódio, dois sargentos da PM trocam insultos na porta de um banco e um deles revela a existência de um “esquema” criminoso comandando por um oficial para extorsão mediante a apreensão de motocicletas.

Os fatos criminosos dentro da PM se sucedem em menos de quatro meses da segunda gestão do secretário da Segurança Pública e Defesa Social, delegado federal, André Costa, e do novo comando da Corporação, coronel Alexandre Ávila. Na sede da Controladoria dos Órgãos da Segurança Pública e do Sistema Penitenciário (CGD), delegados e seus assessores estão abarrotados de denúncias e investigações que tratam de atos indisciplinares e práticas criminosas atribuídas a membros da PM.

No mês passado, uma operação realizada pelo Ministério Público Estadual (MPE), com o apoio da Controladoria, desarticulou uma verdadeira “gangue fardada” que agia dentro do Batalhão de Polícia do Meio Ambiente (BPMA) nas cidades de Sobral e Tianguá. Segundo o MPE-CE, responsável pelo controle externo da atividade policial, a “quadrilha” tinha como “cabeças” dois oficiais da Corporação. O tenente-coronel Paulo de Tasso Marques de Paiva e o major Francisco Marcelo Nantuã Beserra. O primeiro comandava o batalhão em Sobral, e o segundo chefiava a companhia do BPMA em Tianguá. Os dois acabaram presos na operação.

Também foram presos os sargentos da PM Raimundo Nonato Cruz, Jorge Luís de Sousa, Marcelo Cristiano de Melo, Reginaldo Bento de Araújo, Antônio Barbosa Filho e Décio Alves Fernandes. Além deles, outro detido foi o soldado PM Pablo Weslly Cavalcante de Sousa, que é filho do sargento Jorge Luís. A prisão ocorreu durante uma operação que o MPE junto com a CGD batizaram de “Espanta Raposa”.

Entre os crimes atribuídos aos militares estão a cobrança de propina em troca da liberação de bens apreendidos, entre eles, animais silvestres. Caminhoneiros eram extorquidos também pelos militares. Na denúncia formulada pelo MP, há a citação de 20 atos criminosos atribuídos aos PMs. Na conta do tente-coronel Paulo de Tasso há dois casos de obtenção de vantagem ilícita, as chamadas “cobranças”.

Neste episódio, a denúncia já foi recebida e acatada pela Justiça, que manteve na prisão seis dos PMs suspeitos, incluindo os dois oficiais comandantes da tropa. AS defesas dos militares preparam documentos para rebater as argumentações e provas do Ministério Público.

Mais prisões

Na trilha da indisciplina, a CGD realizou na tarde desta terça-feira a prisão de mais dois policiais militares. Desta vez, os agentes da lei foram pegos em flagrante quando, segundo a investigação da CGD, praticavam crimes de extorsão e tráfico de drogas, além de porte ilegal de armas. Dois neo-soldados foram capturados na comunidade Parque Leblon, em Caucaia, na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF) quando exigiam dinheiro de traficantes de drogas.

Os soldados Lucas Fernandes Morais da Silva, Francisco Hélio Monteiro Filho e Thiago Cordeiro Alves são apontados como envolvidos nesta ação criminosa. Os dois primeiros foram presos em flagrante, enquanto o terceiro não foi, ainda, localizado pelos agentes da Delegacia de Assuntos Internos (DAI). Contudo, deverá ser apresentado hoje na CGD pelo seu comandante. Os três estão destacados na antiga 3ª Companhia do 5º BPM, hoje, 20º BPM (Pirambu).

Esquema?

Também na CGD foi aberta uma nova investigação. E desta vez para apurar uma revelação que pode descortinar mais uma gangue fardada. O fato veio à tona através das redes sociais, através da publicação de vídeos que mostram quando dois militares entram em discussão na porta de uma agência bancária na cidade de Pentecoste (a 88Km de Fortaleza).

Na gravação, uma discussão acirrada entre dois sargentos da PM, um deles lotado em Pentecoste o outro em São Gonçalo do Amarante. No episódio se envolve também o comandante da Guarda Municipal de Pentecoste.

O fato ocorreu por volta das 15 horas da última segunda-feira (6). Na confusão que se estabeleceu por conta do carro do comandante da Guarda ter sido estacionado irregularmente na porta do banco, os dois militares – sargentos Nóbrega e Da Silva – se envolvem em um bate-boca, ocasião em que Nóbrega acusa o comandante da Guarda e um oficial (major) de terem montado um “esquema” para a apreensão de motocicletas naquele Município. Para a CGD surgiram na confusão indícios de mais um esquema de propina na Corporação.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar