Levando a sério o jornalismo 24 horas por dia.

Homicidômetro - Assassinatos no Ceará em 2019

2.200 em 11/11/2019  

Polícia não descarta risco de "Zé de Valério" ser morto na cadeia e o mantém em cela isolada

Zé de Valério 300

Foram 78 dias fugindo da Polícia. "Zé de Valério" caminhou 300 quilômetros, do Ceará ao Piauí

Trazido nesta sexta-feira (12) do Piauí para Fortaleza em um helicóptero da Coordenadoria Integrada de Operações Aéreas (Ciopaer), por determinação expressa do secretário da Segurança Pública, delegado federal André Costa, o vaqueiro José Pereira da Costa, o “Zé de Valério”, já está recolhido em uma cela da Delegacia de Capturas e Polinter (Decap), na Capital, e começará a ser ouvido pelas autoridades na próxima segunda-feira (15).

Para evitar que ele seja agredido ou mesmo morto pelos demais presos – dada a repercussão que a fuga do criminoso teve – ele permanece isolado dos demais detentos, à exemplo do que ocorre sempre com bandidos acusados de crimes de estupro e assassinato de mulheres. O risco de o vaqueiro ser morto na cadeia é considerado real pelas autoridades da Segurança Pública e do Sistema Penitenciário.

Em conversa informal com a Polícia, o vaqueiro contou um pouco como passou 72 dias em fuga pelo mato, quando percorreu quase 300 quilômetros entre o Ceará e o Piauí, saindo de Pedra Branca e passando pelos municípios de Senador Pompeu, Quixeramobim, Boa Viagem, Independência e Crateús, até, finalmente, chegar em Buriti dos , no Piauí, onde acabou sendo preso, na manhã de ontem (12), no Distrito de Jatobá do Medo, no Município de Buriti dos Montes (PI).

Peixe cru e mel

Na conversa com os policiais militares que foram buscá-lo no Piauí, após ele ser detido por um morador daquele lugarejo, “Zé de Valério” contou que comeu peixe cru, mel e tomou água de rio para sobreviver. Porém, há relatos de que, durante o período da fuga, ele atacou casas em locais distantes das cidades – na zona rural – e roubou comida, água e roupas.

A fuga do criminoso teve início na noite do dia 24 de abril último, após ele raptar, estuprar e matar a tiros a filha de seus ex-patrões. A universitária do Curso de Administração de Empresas, Daniele Oliveira Silva, 20 anos, foi atacada pelo vaqueiro em uma estrada na localidade de São Gonçalo, a cerca de 15 quilômetros da sede municipal de Pedra Branca (a 275Km de Fortaleza).

O corpo da garota, com marcas de violência e despido, porém, só foi encontrado na manhã seguinte, dia 25 de abril, após buscas de familiares, vizinhos e da própria Polícia. No mesmo dia, a delegada de Polícia Civil de Pedra Branca, Anarda Lima, identificou o criminoso e deu início com seus inspetores a caça ao assassino.

Este foi o segundo crime praticado pelo assassino, pois no dia 19 de abril de 2013, ele matou na Fazenda Barracão de Zinco, na zona rural do Município de Tauá, na região dos Inhamus (a 337Km de Fortaleza), a comerciante Maria Solange Cesário, 39 anos. Por este segundo crime ele, sequer, foi indiciado em inquérito, pois sua verdadeira identidade não foi descoberta.

Lista de crimes

Com a prisão, o vaqueiro deverá responder pelos dois assassinatos e, ainda, por outros crimes que praticou durante sua tresloucada fuga, como ameaça, roubo, tentativa de homicídio (quando trocou tiros com policiais e guardas municipais) e invasão de domicílio.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar