Levando a sério o jornalismo 24 horas por dia.

Homicidômetro - Assassinatos no Ceará em 2019

2.274 em 14/12/2019  

Crânio encontrado no Parque do Cocó pode ser da mulher esquartejada e decapitada

Cocó pedaços

Na manhã de quarta-feira, outras partes do corpo foram localizadas na trilha do Parque 

Um cranio humano encontrado na tarde de ontem (27) no mangue do Parque Ecológico do Cocó, na zona Leste de Fortaleza, está sendo examinado por especialistas da Perícia Forense do Estado do Ceará (Pefoce). Os peritos legistas tentam descobrir se ele é parte do corpo de uma mulher que foi encontrado esquartejado e decapitado naquela área da cidade na última segunda-feira (25). O crime misterioso é investigado também pela Polícia Civil, através do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

Um militar aposentado que organiza passeios de barco no Rio Cocó foi quem descobriu o cranio e, imediatamente, comunicou o fato às equipes do Comando de Policiamento de Meio Ambiente (CPMA) que fazem o patrulhamento diário do Parque. O local foi isolado e o Corpo de Bombeiros foi mobilizado para a ocorrência.

O caso continua sob denso mistério. O corpo esquartejado seria, provavelmente, de mais uma jovem morta por ordem de facções criminosas. A forma como a vítima foi assassinada – com requintes de crueldade, através de esquartejamento e decapitação – não deixou dúvidas para as autoridades que se trata de mais um crime na “guerra” das facções que agem na cidade de Fortaleza. Até agora, ninguém reclamou o corpo da vítima, que segue na condição de indigente e sem identificação na Coordenadoria de Medicina Legal (Comel), da Pefoce.

Na tarde de segunda-feira, o corpo foi encontrado junto a uma das pilastras de uma ponte sobre o Rio Cocó na Avenida Sebastião de Abreu. No dia seguinte, pela manhã, membros do corpo foram achados a cerca de dois quilômetros de distância do local onde havia sido encontrado o tronco da vítima.

Exames de DNA estão sendo realizados pelos especialistas para uma posterior comprovação de identidade da mulher assassinada.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar