Levando a sério o jornalismo 24 horas por dia.

Homicidômetro - Assassinatos no Ceará em 2020

1.898 em 28/05/2020

Adolescente é apreendido e confessa ter assassinado índio na aldeia Pitaguary, em Maracanaú

Madalena

A cacique Madalena, mãe do índio assassinado ontem, também já foi vítima da violência na aldeia dos Pitaguary. Em 2018 ela sofreu um atentado a tiros e foi baleada na cabeça, mas sobreviveu 

Um adolescente de 16 anos foi apreendido e confessou ter assassinado um índio da reserva indígena Pitaguari, no Município de Maracanaú, na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF), na madrugada desta quinta-feira (7). Em depoimento na Delegacia Metropolitana de Maranguape, o menor disse que o crime deveu-se a uma discussão banal durante uma bebedeira. O índio foi morto a pauladas e o corpo somente encontrado na manhã por outros ocupantes da reserva localizada no bairro São João do Pitaguari.

De acordo com a Polícia, o adolescente foi detido horas após o crime e estava escondido não muito distante do local onde o corpo do índio Israel Basílio Guedes, 31 anos, foi encontrado em meio a uma poça de sangue. Ele recebeu várias pauladas na cabeça, conforma constatou a Perícia Forense do Ceará (Pefoce). O caso está sendo apurado pelo delegado Jurandir Braga, titular da Delegacia Metropolitana de Maranguape.

O índio assassinado na madrugada desta quinta-feira era conhecido pelo apelido de “Neguinho da Madalena”, numa referência à sua mãe, a cacique Madalena, da tribo dos Pitaguari. Em 2018, a mulher também foi vítima da violência, sendo alvo de um atentado a tiros. A cacique Madalena ficou em estado grave, mas sobreviveu.

Em nota publicada em seu site nessa quinta-feira (7), a Federação dos Povos e Organizações Indígenas do Ceará (Fepoince), lamentou o assassinato do índio Basílio.

Crime noutra aldeia

No dia 11 de janeiro último, Antônio da Cunha de Sousa, 34 anos, foi morto a tiros dentro de uma casa no aldeamento indígena Capoeira, localizado no Bairro Padre Júlio Maria, em Caucaia, na Grande Fortaleza. Equipes da Polícia Militar e do Departamento de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP), estiveram no local.

Segundo informações repassadas à Polícia, o crime foi motivado por represália e cometido por membros de facções criminosas. A vítima havia prometido vingança pela morte do irmão, assassinado na mesma comunidade. A área indígena é de acesso restrito, mas está ocupada por bandidos de uma facção.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar