Levando a sério o jornalismo 24 horas por dia.

Homicidômetro - Assassinatos no Ceará 2017

4.561

Atualizado em 22/11/2017  

Rivalidade de gangues termina em assassinato de jovem no Cristo Redentor

camera 6.5.2015 006

Mateus Borges foi morto, a tiros, ao lado de uma quadra de futsal. O atirador fugiu de bicicleta FOTO: Fernando Ribeiro

Uma rivalidade entre gangues de duas comunidades vizinhas na zona Oeste de Fortaleza pode ter sido a causa do assassinato de mais um jovem na Capital. O crime ocorreu na noite de terça-feira, quando um rapaz de apenas 20 anos de idade foi sumariamente executado com seis tiros disparados pelas costas enquanto ele assistia um jogo de futebol de salão em plena praça pública.

O crime ocorreu por volta de 21h30, na pracinha do bairro Cristo Redentor. Matheus Borges, 20, estava sentado em um banco da pracinha localizada na Rua Doutor Francisco Sá Pires, próximo à Unidade de Pronto Atendimento (UPA), do bairro Pirambu, quando foi assassinado sem que tivesse chance ao menos de tentar se defender.

Segundo o perito criminal Leão Júnior, da Coordenadoria de Criminalística da Perícia Forense do Estado do Ceará (Pefoce), a maioria dos tiros atingiu a nuca e as costas do rapaz, indicando que ele foi realmente morto por alguém que o surpreendeu por trás.

Policiais do Ronda do Quarteirão e da 3ª Companhia do 5º BPM (Pirambu), foram os primeiros a chegar no local do assassinato. Segundo eles, as primeiras informações confirmam que o assassinato pode estar relacionado à rivalidade entre gangues Cristo Redentor e Colônia, dois bairros vizinhos, separados apenas pela Avenida Leste-Oeste. “Quem é de lá não pode vir para cá e quem é daqui não pode ir para lá”, disse uma moradora (identidade preservada), confirmando as suspeitas das autoridades.

Bicicleta

Segundo ainda a PM, apesar de ter apenas 20 anos de idade, Mateus Borges já tinha histórico criminal. Respondeu por crime de assalto (roubo), mas, a princípio, a Polícia descartou a hipótese de ligação deste crime com a morte do rapaz.

Sentada numa cadeira plástica cedida por um morador, a companheira do rapaz assassinado permaneceu ao lado do corpo dele até a chegada da Perícia Forense e das equipes da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). O delegado Cleófilo Rodrigues, que comandava a equipe da DHPP no local, disse que a única informação obtida ali é a de que o assassino seria, provavelmente um adolescente, que fugiu do local em uma bicicleta.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar