Levando a sério o jornalismo 24 horas por dia.

Portuguese English French Italian Japanese Spanish

Tribunal de Justiça nega liberdade para padre acusado de pedofilia contra adolescentes em Juazeiro do Norte

Padre preso

Padre Lenilson Laurindo da Silva está preso desde outubro de 2016

A Terceira  Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE) negou, nesta terça-feira (14), liberdade para um  padre acusado de abusar sexualmente de adolescentes no Município de Juazeiro do Norte, na Região do Cariri (a 528Km de Fortaleza.

“O magistrado, pautando-se pelos elementos informativos que denotam a materialidade e relevantes indícios de autoria delitiva, ponderou os riscos que a liberdade do paciente imporia à ordem pública, considerando os danos e desgastes psicológicos que poderiam acometer os adolescentes supostamente vítimas”, disse o relator do processo, desembargador Raimundo Nonato Silva Santos.

Segundo denúncia do Ministério Público do Ceará (MPCE), o padre Lenilson Laurindo da Silva, valendo-se de sua condição, vinha explorando sexualmente adolescentes. Para isso, oferecia dinheiro em troca de favores sexuais, bem como de estímulo à pratica de atos libidinosos e troca de material pornográfico. Os atos ilícitos do religioso ocorriam na casa de sua irmã.

Defesa

Ainda segundo o órgão ministerial, tanto os responsáveis pelos adolescentes, como as próprias vítimas denunciaram o caso. Por isso, o Juízo da 2ª Vara Criminal da Comarca de Juazeiro do Norte decretou a prisão do sacerdote no dia 7 de outubro de 2016.

Ao ingressar com habeas corpus no TJCE, a defesa alegou que o juiz julgou antecipadamente o caso na formação de convencimento para a fundamentação da prisão. Disse que a prisão é injusta e abusiva, o que caracteriza constrangimento ilegal. Explicam que o padre é réu primário, possui residência fixa e ocupação lícita, e, por isso, não oferece riscos à sociedade.

Em parecer, o MPCE opinou pela denegação do pedido, sob o argumento de que a situação concreta justifica a decretação da prisão preventiva com fundamento na garantia da ordem pública e para assegurar a instrução criminal.

Constrangimento

Ao analisar o caso, a Terceira Câmara Criminal negou à unanimidade o pedido, acompanhando o voto do relator. “Conforme entendimento jurisprudencial consolidado pelo Superior Tribunal de Justiça, não há constrangimento ilegal quando a custódia cautelar encontrar-se fundamentada pela gravidade concreta do crime, o que comprometeria a ordem pública”, explicou.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar