Levando a sério o jornalismo 24 horas por dia.

Portuguese English French Italian Japanese Spanish

Capitão Wagner anuncia CPI do narcotráfico que pode apontar políticos e empresários envolvidos no crime

Wagner 2

Deputado Capitão Wagner diz que CPI pedirá o apoio da PF para a segurança dos parlamentares

Em entrevista na Assembleia Legislativa do Estado, na manhã desta quinta-feira (22), o deputado estadual, Capitão Wagner (PR), anunciou que no segundo semestre deste ano a Casa deverá instalar uma Comissão parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar o narcotráfico no Ceará. Segundo ele, serão tomadas todas as medidas necessárias para que os parlamentares tenham segurança e possam investigar à fundo o tráfico de drogas no estado.

“Este é o momento oportuno, momento em que a violência vem crescendo. Queremos investigar e ter a capacidade de identificar e mostrar quem são os políticos que tenham envolvimento com a questão das drogas e quem são os grandes empresários que  possam  estar financiando o crime organizado no Ceará”, afirma o deputado republicano.

Wagner disse, ainda, que para a instalação da CPI manteve um encontro com os membros da mesa diretora, durante encontro com os líderes partidários, e estes se comprometeram a instalação da comissão no segundo semestre deste ano.

Investigar

Indagado acerca dos riscos que os parlamentares envolvidos nas investigações possam correr, o deputado esclarece que haverá um aparato necessário para que os deputados possam trabalhar no assunto. “Vamos pedir a colaboração da Polícia Federal, da Polícia Civil e da própria PM para que possamos trabalhar, inclusive com a quebra de sigilos, a interceptação telefônica e outros mecanismos investigativos que podem ser utilizados numa CPI deste tipo.

“Hoje o Ceará é ponto importante da rota do narcotráfico. Seja pela sua posição geográfica, seja pela presença aqui das facções criminosas”, lembrou o capitão, reforçado que pelo Ceará passam drogas que seguem em direção à Europa e outros destinos.  Ele considerou também ser natural o temor de alguns deputados em atuar num tema tão complicado e que pode gerar resistências. “Mas esta é uma questão urgente e que merece uma resposta da Casa”, concluiu. 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar