Levando a sério o jornalismo 24 horas por dia.

Homicidômetro - Assassinatos no Ceará 2018

1.911

Atualizado em 18/5/2018  

Facções criminosas transformaram o Ceará numa grande "lavanderia" para a contabilidade do narcotráfico

Alejandro Paca Paca  Gegê do Mangue 40

Alejandro Camacho, o "Júnior"    Fabiano Sousa, o "Paca"        Jeremias, o "Gegê do Mangue"

Vainer Pepê 2 Petrus 1 Boy 3

Vainer Magalhães, o "Pepê"         Petrus William Brandão           Claudiney  Sousa, o "Cláudio Boy"

Mergulhada numa crise sem precedentes, a Segurança Pública do Ceará apresenta agora desdobramentos que nem mesmo os especialistas no assunto previam: o estado se tornou uma espécie de “embaixada” do crime organizado no País, lugar onde aportam os chefões das facções que dominam o tráfico de drogas no País e fora dele, além do controle do Sistema Penitenciário. O Ceará se tornou um verdadeiro “paraíso” para os “cabeças” do tráfico gastar o dinheiro sujo de seus crimes. Aqui, o aparato policial e de Inteligência não os alcançam.

Ainda em março de 2016, a Polícia Federal prendeu sigilosamente, em Fortaleza, Alejandro Juvenal Herbas Camacho, o “Júnior”, irmão de Marcos Willians Herbas Camacho, o “Marcola”. Ele transitava entre Fortaleza, São Paulo e diversos outros estados, do Sudeste e do Centro-Oeste, gerenciado os negócios do irmão, ou seja, o tráfico de cocaína, armas e munições. Com a prisão de “Júnior”, outros representantes da facção vieram para o Ceará continuar no gerenciamento do tráfico. O negócio não poderia parar. Foi quando bandidos usando identidade falsa aqui se apresentaram com o perfil de grandes empresários e se entranharam em diversos ramos da economia local, chegando, alguns, a ingressar nas rodas da alta sociedade.

Lavagem 

Os negócios escolhidos foram diversos: desde revendedoras de veículos importados a empresas de eventos, casas de shows e afins. “Júnior” ou “Alejandro” abriu a porta e outros apareceram. O Ceará, então, se tornou uma espécie de “grande lavanderia”, onde negócios de fachada eram montados para disfarçar a milionária arrecadação do tráfico de drogas. Cocaína produzida nos países vizinhos ao Brasil, como Colômbia, Bolívia e Peru, passavam necessariamente por Fortaleza antes de atravessar o Atlântico nos voos internacionais e chegar aos países importadores, como Holanda e África do Sul.

E foi assim que os grandes traficantes se estabeleceram no Ceará. Com “Júnior” atrás das grades junto com o irmão “Marcola”, foram despachados pelo PCC para Fortaleza, bandidos como o mineiro Claudiney Rodrigues de Sousa, o “Cláudio Boy”, que, até então, chefiava uma quadrilha de traficantes medianos na Grande Belo Horizonte. Aqui, ele cresceu e começou a dominar o mercado da cocaína de sua facção, ao mesmo tempo em que ganhava espaço como “empresário” no meio social, se tornando freqüentador de rodas de empreendedores do ramo de barracas de praia, restaurantes de luxo, boates, casas de shows e artistas de forró.

E foi neste contexto que chegaram também ao Ceará os traficantes Rogério Jeremias de Simone, o “Gegê do Mangue”; e Fabiano Alves de Sousa, o “Paca”, todos do alto comando do PCC, e que acabaram sendo eliminados por ordem da própria cúpula da facção. Motivo: o desvio e a gastança de dinheiro em proveito pessoal, quebrando as rígidas normas e disciplina da facção.

Outros grupos

Outras facções também despacharam para o Ceará seus “chefões”, como foi o caso da organização criminosa Família do Norte, a FDN, que enviou para Fortaleza o narcotraficante Vainer de Matos Magalhães, que teria a missão de tomar das mãos do PCC e do Comando Vermelho (CV) o domínio do tráfico na zona nobre da Capital, a partir da Praia do Futuro até chegar ao Porto das Dunas, em Aquiraz. Não deu certo, nem deixaram.

Na tarde de 20 de abril de 2017, Vainer Magalhães, o “Vainer Pepê”, foi executado com cerca de 40 tiros de fuzil dentro de sua caminhoneta importada em plena Praia do Futuro.

Em lugar de Vainer, assumiu o comando da FDN e de seus negócios da droga na Capital cearense um jovem que era a promessa da organização criminosa: Petrus William Brandão Freire. Mas, tal e qual “Gegê do Mangue” e “Paca”, Petrus começou a esbanjar ostentação. Resultado, na madrugada do dia 24 de janeiro foi morto, também com cerca de 40 tiros, quando encerrava uma noite de balada numa barraca na Praia do Futuro.

 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar