Levando a sério o jornalismo 24 horas por dia.

Portuguese English French Italian Japanese Spanish

COMPRA DE VOTOS: Inquérito da PF que envolve a Primeira-Dama do Ceará e assessores já está com o Ministério Público

CafardoOnélia Santana 

Porta-voz do Governo, Thiago Cafardo: indiciado     Primeira-Dama, Onélia Santana: indiciada

Prova do crime

PROVA DO CRIME: no quarto do hotel, em Juazeiro, dinheiro e material de propaganda apreendidos

Já está nas mãos do Ministério Público Federal (MPF) para efeito de denúncia o inquérito policial instaurado pela Polícia Federal que apurou os crimes de compra de votos, ameaça a eleitores e associação para o crime, caso que envolve a primeira-dama do Estado do Ceará, Onélia Santana; e seus assessores, entre eles, o jornalista Thiago Cafardo, e Ana Kitéria, além do candidato derrotado à prefeito do Município de Barbalha (a 538Km de Fortaleza), Fernando Santana.

O grupo foi sigilosamente investigado durante dois meses pela PF a partir da prisão em flagrante de Ana Kitéria em um hotel, na cidade de Juazeiro do Norte, na tarde de 30 de setembro último, dois antes do primeiro turno das eleições para prefeito e vereador no Brasil.

Levados por uma denúncia anônima, os agentes entraram no hotel e prenderam a assessora da primeira-dama com cerca de R$ 50 mil em espécie, além de vasto material de propaganda do candidato Fernando Santana.  Tudo foi filmado, fotografado e periciado pela PF, fazendo parte do volume de provas já anexado aos autos e que permitiu o indiciamento dos suspeitos. Sobre a cama de um dos quartos do hotel estavam sendo preparados os kits a serem entregues aos eleitores corrompidos no esquema criminoso, dinheiro e “santinhos” colocados em envelopes, conforme a PF.

Provas

Para chegar à esposa do governador do Estado, Camilo Santana (PT), a Polícia Federal aprofundou as investigações sobre o crime, colhendo provas que deverão ser conhecidas publicamente agora na fase processual.  Há, inclusive, provas das ameaças que teriam sido feitas por Onélia a eleitores, segundo a PF.

Como o crime citado pela PF envolve três ou mais pessoas, os acusados foram indiciados na lei 12.850/13, que tipifica o delito de “associação para o crime”, cuja pena varia de um a três anos de prisão, mesmo que o crime planejado não tenha sido praticado.

Segundo notícia veiculada nesta segunda-feira pelo site da Revista Época, a investigação comprovou que Onélia ameaçava eleitores que, caso os eleitores de Barbalha não elegessem o candidato dela, o Governo do Estado (comandado pelo marido, Camilo) não enviaria verbas para o Município.

Nota de Onélia

Em nota distribuída à Imprensa, já na noite de ontem, a primeira-dama do Estado negou envolvimento no caso. A nota tem o seguinte teor: “A respeito da informação de indiciamento envolvendo meu nome em inquérito de suposta compra de votos na última eleição, em Barbalha, esclareço que jamais participei de qualquer prática ilícita, a qual repudio veementemente. Tenho pautado minha vida pela correção nos atos e respeito às leis. Os últimos dois anos tenho dedicado todos os meus momentos, de forma voluntária e incansável, ao desenvolvimento de projetos sociais. Um compromisso que assumi e que irei cumprir com muito zelo e dedicação”.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

z1
 
 
Jornalista
Fernando Ribeiro
Bem-vindos ao blog, espaço destinado a matérias sempre atualizadas sobre Fortaleza e o Estado do Ceará
 
icon (85) 8826.7143

Compartilhe conteúdo

15639320764840782235

zz1