Levando a sério o jornalismo 24 horas por dia.

Homicidômetro - Assassinatos no Ceará em 2018

4.617 em 13/12/2018  

Situação precária dos postos de Saúde de Fortaleza é alvo de ação fiscalizadora do Ministério Público e de várias entidades

Isabel porto1

Promotora Isabel Porto está à frente das visitas que estão sendo realizadas

“Um absur de Justiça do”. Foi assim que a promotora de Justiça Isabel Porto, presidente da Comissão de Saúde do Ministério Público Estadual (MPE), definiu a atual situação dos postos de saúde de Fortaleza. Um cenário de completa deficiência, precariedade e descaso do poder público.

Na manhã desta sexta-feira (27), uma comissão de representantes de diversos órgãos públicos e instituições de defesa da sociedade visitaram o posto localizado no bairro Parangaba e constatou o péssimo atendimento às pessoas doentes e a falta de medicamentos.

Em entrevista à Imprensa logo após participar da visita ao posto, em Parangaba, Isabel Porto disse que todas as denúncias recebidas pelo MP sobre o estado de precariedade foram comprovadas. “Faltam medicamentos e até produtos básicos para a equipe fazer até um simples curativo. O que vi foi um verdadeiro absurdo. Não há realmente medicamentos que deveriam ser distribuídos à população”, ressaltou.

Segundo a promotora, em toda a Capital existem cerca de 90 unidades de atendimento de saúde básica que estarão sendo visitados por uma comissão formada pelas várias entidades do setor, tais como os conselhos de Farmácia, de Medicina e de Odontologia, a Vigilância Sanitária, a Ordem dos Advogados do Brasil, Secção Ceará (OAB), além do próprio Ministério Público.

O resultado dessas visitas aos postos de saúde será a elaboração de relatórios sobre a situação de cada um deles. Em seguida, a Promotoria de Saúde vai agendar audiências com os representantes do Município para que sejam explicadas as deficiências encontradas nas vistorias e, principalmente, serão listadas e cobradas as providências para que todas as deficiências sejam sanadas. “Serão dados prazos para a adequação de cada um dos postos”, avisou Isabel Porto. O descumprimento da adoção de providências pode resultar e medidas judiciais graves, como ações públicas contra os gestores.

Comentários   

 
0 #1 Antonia Santana 28-03-2015 22:11
Espero que agora ande ,que os Hospitais comece a funcionar de :-x verdade
Citar
 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar