Levando a sério o jornalismo 24 horas por dia.

Homicidômetro - Assassinatos no Ceará em 2019

315 em 19/2/2019  

Venda de liminares: presidente do Tribunal de Justiça exonera servidores que atuavam no gabinete de desembargador suspeito do esquema

Desembargadora Iracema1

Desembargadora Iracema Vale determinou  a exoneração dos cinco servidores
Cinco servidores do Tribunal de Justiça do Estado do Ceará foram exonerados de seus cargos. Esta foi a primeira medida concreta que o TJCE tomou após a operação da Polícia Federal realizada na última segunda-feira (15), que culminou no afastamento de um desembargador daquela Corte e em buscas nas dependências do próprio tribunal.O objetivo foi a apreensão de documentos e computadores que podem servir de provas do esquema criminoso de venda de liminares a bandidos durante plantões do Judiciário.

Por decisão da presidente do TJCE, desembargadora Iracema  do Vale Holanda, cinco servidores que atuavam no gabinete do desembargador  Carlos Rodrigues Feitosa, foram exonerados de seus cargos comissionados e transferidos para outros setores da Justiça. São eles:  Helaine Cristina Pinheiro Fernandes, Aline Gurgel Mota, Antônio José Martins Jataí, Charliene Fernandes  de Araújo Coser e Cristiane Limaverde Guilherme Rodrigues.

O despacho sobre a exoneração dos servidores foi publicado no Diário Oficial da Justiça, através da portaria de número 1364/2015.

Colaborar

A Justiça não informou se os cinco servidores estão também sendo investigados por envolvimento na venda de liminares.O fato é que todos trabalhavam junto com o desembargador Carlos Feitosa, que foi afastado de suas funções por determinação do Superior Tribunal de Justiça (STJ). Ele é apontado como um dos suspeitos de conceder a soltura de criminosos mediante pagamento de propina. As concessões dos habeas corpus aconteciam durante os plantões de fim de semana ou feriado.

Em Nota Oficial  distribuída á Imprensa no dia seguinte à operação da PF, a presidente do Tribunal de Justiça afirmou que iria “colaborar” com as investigações da Polícia Federal e do STJ.  Na mesma data, ela determinou o afastamento dos cinco auxiliares do desembargador Carlos Feitosa.

O escândalo que envolve o TJCE tornou-se ainda mais grave depois que o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, Secção Ceará (OAB-CE), Valdetário Monteiro, afirmou, em entrevista coletiva, que bandidos de outros estados brasileiros também teriam se beneficiado do  esquema de venda de liminares. Ele citou os estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, entre outros, onde criminosos teriam pedido transferência para o Ceará e aqui obterem a soltura comprando os habeas corpus nos plantões do Tribunal. Conforme as investigações, cada liminar seria vendida ao preço de R$ 150 mil.

Ainda de acordo com Monteiro,  pelo menos, 10 advogados, cinco desembargadores e vários servidores do Tribunal estariam sendo “alvos” das investigações sobre o esquema.

O desembargador Carlos Feitosa e seu filho, Fernando Carlos Oliveira Feitosa, foram conduzidos coercitivamente por policiais federais  para a sede da PF no começo da manhã de segunda-feira. Em seguida, o desembargador foi ouvido na sede da Justiça Federal e liberado. O mesmo aconteceu ao filho dele.

Comentários   

 
0 #1 AGOSTINHO 18-06-2015 11:36
JESUS!!! ONDE VAMOS PARAR COM TANTA FALTA DE JUSTIÇA NESTE PAÍS.EM QUEM ACREDITAR.SÓ DEUS PRA NOS PROTEGER.
Citar
 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar