Levando a sério o jornalismo 24 horas por dia.

Homicidômetro - Assassinatos no Ceará 2017

4.941

Atualizado em 18/12/2017  

Genil Camelo, ex-dono do Parque Recreio, continua foragido e sendo caçado pela Polícia

Genil

Genil fugiu ao saber que a Justiça decretara a falência de suas empresas e sua prisão

A Polícia Civil continua em diligências na tentativa de localizar e prender o  empresário Genil Araújo Camelo, proprietário do Parque Recreio. Ele é considerado foragido da Justiça e todas as divisas do Ceará estão em alerta. Na última terça-feira (7), uma equipe da Polícia Civil foi a casa do empresário para executar a ordem de prisão preventiva expedida pelo juiz Cláudio de Paula Pessoa, da 2ª Vara de Recuperação e Falências do Poder Judiciário do Estado do Ceará, localizada na Comarca de Fortaleza, no Fórum Clóvis Beviláqua.

“Fomos à residência do senhor Genil e na casa de sua ex-esposa. Também nos deslocamos até o Parque Recreio. Ele não estava em nenhum dos locais. Já é considerado um foragido da Justiça”, diz o delegado Gustavo Pernambuco, titular da Delegacia de Capturas e Polinter do Estado (Decap). Segundo ele, as divisas do Estado nas estradas e no aeroporto foram comunicadas. “A (polícia) Rodoviária e Federal já estão cientes”.

Falência

Decretada a falência do Free Shop Parque Recreio, no bairro Papicu, no dia 20 de fevereiro, os sócios do Grupo foram afastados da administração da empresa, correspondente à L.D Comércio.

No dia 24 de fevereiro, um administrador judicial nomeado pelo juiz, acompanhado de oficial de Justiça, flagrou o patrimônio do Free Shop do Papicu sendo levado, em caminhão, para o Parque Recreio da avenida Rui Barbosa. Mas os materiais estão bloqueados pela Justiça para pagar funcionários e credores da empresa falida.

O motorista do caminhão e funcionários afirmaram que os produtos estavam sendo levados a pedido de Genil e que, na noite anterior, 23, mercadorias já haviam sido movimentadas. Verificou-se ainda, que todas as quatro empresas do Grupo, além da L.D Comércio, misturavam patrimônio e tinham mesmo endereço registrado na Junta Comercial do Ceará (Jucec), apesar de estarem em locais diferentes, e o juiz estendeu o pedido de falência para todo o Grupo.