Levando a sério o jornalismo 24 horas por dia.

Homicidômetro - Assassinatos no Ceará 2017

4.941

Atualizado em 18/12/2017  

Desembargador desfaz ordem de juiz e revoga prisão do ex-dono do Parque Recreio

Genil

Genil Araújo permaneceu foragido até a Justiça revogar sua prisão preventiva

Ao menos, momentaneamente, saiu da lista dos “procurados” pela Polícia Civil cearense o nome do empresário Genil Araújo Camelo, ex-dono da cadeia de restaurantes e distribuidoras de bebidas “Parque Recreio”. Ele estava foragido desde a semana passada, quando teve decretadas a falência das empresas e a sua prisão preventiva.

Em habeas corpus impetrado pelos seus advogados, o ex-garçom que se transformou num dos maiores empresários do ramo de restaurantes de Fortaleza, livrou-se temporariamente de ser preso. Na última sexta-feira, o desembargador Heráclito Vieira de Sousa Neto revogou a medida. Enquanto a preventiva vigorava, Genil permaneceu foragido.

Agora, sem o perigo de ir pra cadeia, Genil Araújo deve tratar de tentar recuperar as empresas, cuja falência foi decretada pelo juiz da Segunda Vara de Recuperação Judicial e Falência do Ceará, Cláudio Paula Pessoa.

Desvio de mercadorias

Conforme a decisão judicial, as empresas até então pertencentes a Genil Araújo – MKG Alimentos, GAC importação e Exportação, União Bares, Restaurantes e Churrascaria; e Maria Wuela Sousa Cunha – foram decretadas falidas após um processo judicial que apontou, entre outros fatos, “o esvaziamento do patrimônio pertencente à massa falida”.

Ao decretar a prisão do empresário, o juiz ressaltou da sua necessidade “pois a sua liberdade inviabilizará a arrecadação dos patrimônios das empresas, cuja extensão aqui se decreta, posto que, há de se supor, ante as provas dos autos, que agirá da mesma forma, ou seja, desviará as mercadorias das lojas, frustrando a consecução ou expropriação concursal”, destacou