Levando a sério o jornalismo 24 horas por dia.

Homicidômetro - Assassinatos no Ceará 2017

4.561

Atualizado em 22/11/2017  

Fatiamento dos presídios por facções fez poder paralelo do crime dominar o Sistema Penitenciário

Intermitente piscandoIntermitente piscando Intermitente piscando

SIRENE ABERTA Fernando Ribeiro

Facções 7

O que seria uma medida emergencial, acabou se tornando uma espécie de regra de sobrevivência e enfraqueceu dez o poder do estado. A conclusão é do presidente do Conselho Penitenciário do Estado do Ceará, advogado Cláudio Justa.  Para ele, “paulatinamente, o estado vem perdendo o controle do sistema”. Ele se refere ao “fatiamento” que a Secretaria da Justiça e da Cidadania (Sejus), com o aval do Palácio da Abolição, dez nas Casas de Privação Provisória da Liberdade, as CPPLs, no Complexo Penal de Itaitinga, na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF). “A voz de comando dentro dos presídios é das facções”, arremata.

As palavras do presidente não são isoladas e estão dentro do contexto de descontrole vivenciado hoje nas cadeias e presídios cearenses. Na Casa Privação da Liberdade Professor Clodoaldo Pinto, a CPPL 2, onde deveriam estar, no máximo, 800 presos, atualmente conta com uma massa de 1.700 detentos, vivendo num ambiente de extrema periculosidade e prestes a explodir a qualquer momento, como aconteceu na semana passada. Uma rebelião deixou três mortos, vários feridos, e uma completa destruição das suas dependências. O clima ali é de tensão ao extremo e os presos estão, permanentemente, tramando fugas coletivas, rebeliões e assassinatos em “acertos de contas”. A superlotação e o fatiamento, segundo Justa, formam um caldo que representa algo “incompatível com uma boa administração”.

FATIAMENTO MACABRO

Facções 1

O tal “fatiamento” implantado nos presídios da Região Metropolitana de Fortaleza – e em especial nas casas de Privação Provisória da Liberdade  - acabou por causar o total enfraquecimento do estado em tais unidade. A divisão de presídios por facção criminosa hoje é feito do seguinte modo: CPPL 1 (Comando Vermelho/CV), CPPL 2 (Guardiões do Estado/GDE), CPPL 3 (Primeiro Comando da Capital/PCC) e CPPL 4 (Família do Norte/FDN e “Massa”/presos que não pertencem a nenhuma das organizações do crime).  Ainda assim, as rixas pessoais e as acusações de traição ou outros motivos são geradores dos assassinatos. Durante o motim ocorrido no começo desta semana, três presos foram condenados pelo “tribunal da cadeia” e acabaram sendo executados a golpes de cossoco. Em seguida,os corpos foram carbonizados.   Até agora, sequer eles foram identificados. Os líderes das facções prometem mais mortes. E acabam cumprindo.

DO PRESÍDIO, A ORDEM PARA QUEIMAR

ônibus queimando

Mais um ônibus é destruído nas ruas de Fortaleza. Desta vez o atentado ocorreu em pleno feriado do Dia de Finados. Bandidos armados invadiram um coletivo da linha Centro-Messejana e  ordenaram que os passageiros descessem. O motorista foi ameaçado para seguir com o veículo para ouitro local, mas, assustado, conseguiu sair do ônibus e fugiu à pé. Os criminosos não perderam tempo. Espalharam gasolina e atearam fogo. Em questão de minutos, o ônibus virou uma imensa labareda. As cenas foram filmadas e rapidamente ganharam as redes sociais. Essa prática delituosa virou uma espécie de perigosa rotina na Capital cearense. Neste ano, já são mais de 20 coletivos incendiados na Grande Fortaleza, prejuízos para os empresários e, principalmente, para a população. Usuários do transporte coletivo acabam pagando caro pela destruição do veículo usado para o ir-e-vir de casa para o trabalho e vice-versa.  Este é mais um tipo de crime praticado na rua, ordenado de dentro dos presídios. Basta apenas uma ligação do chefe da facção e, em pouco tempo, um ônibus vira cinzas.

SEGURANÇA MÁXIMA

Facções 3

O Estado vai gastar cerca de 22 milhões para construir um Presídio de Segurança Máxima. A verba foi garantida à Secretaria Estadual de Justiça e da Cidadania (Sejus) pelo Fundo Penitenciário Nacional administrado pelo Ministério da Justiça e da Segurança Pública. O aporte total chega a R$ 44 milhões e metade dessa bolada vai servir para construir a  nova unidade do Sistema Penal cearense. O presídio vai abrigar somente – e no máximo – 168 presos, que ali vão cumprir um Regime Disciplinar Diferenciado (RDD). Ficarão enjaulados em um celas individuais, não terão direito à visitas nem contato com o mundo exterior (nem mesmo TV). Terão direito tão somente à alimentação e ao banho de sol diário de duas horas no pátio, sob total vigilância. É o estado copiando o que já existe em termos federais, com os presídios federais de São Paulo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Rio Grande do Norte. As vagas serão para bandidos considerados líderes de organizações criminosas. A unidade deve ser construída no terreno do antigo Instituto Penal Paulo Sarasate (IPPS), em Aquiraz.

MELHOR SEM FARDA

PM PM PM

A ordem veio do próprio Comando-Geral da Polícia Militar do Ceará, e logo replicada nos aplicativos de celular e nas redes sociais. A “sugestão” é que os policiais militares não usem o fardamento da corporação no trajeto entre a casa e o trabalho e vice-versa. É o estado baixando a cabeça diante do poderio do crime.  Andar fardado hoje em Fortaleza e no estado do Ceará representa para o policial o iminente perigo de se tornar mais um cadáver para a estatística da violência no estado. Muitos policiais dizem que já cumprem essa rotina há tempo, muito antes da “sugestão” do comando. Alguns sequer são conhecidos pelos vizinhos como policial. Isso não pé à toa. Desde o começo do ano, já são 26 agentes da Segurança Pública mortos no estado, a maioria policiais militares que estavam de folga e acabaram baleados ao reagir contra assaltantes.  O último deles foi o soldado PM Francisco Leandro Conceição Santana, atacado na Avenida Francisco Sá, na madrugada do dia 29 de setembro. Em três anos (a partir de 2015), 57 PMs foram assassinados no Ceará: 2015 (10); 2016 (26) e 2017 (21).

NOVELA  JERI CONTINUA

Jeri 700

Mais um capítulo na novela “Jericoacoara”. Governador Camilo Santana (PT) já garantiu sua presença no próximo dia 8 (quarta-feira) na cidade de Jijoca de Jericoacoara, no litoral Oeste do estado (a 287Km de Fortaleza). Quer mostrar para o povo daquela terra que está preocupado, sim, com a segurança dos nativos e dos visitantes brasileiros e estrangeiros. Fará a “entrega” para Jeri de um efetivo policial de 30 novos PMs, da recente turma que concluiu o curso de formação na Academia Estadual da Segurança Pública (Aesp). São os neo-soldados que estão sendo vistos nos principais cruzamentos e praças de Fortaleza.  O problema é que não há armas de fogo suficiente para todos os 30 homens, nem sequer estrutura física para acomodar a tropa que chega ali como reforço. O prédio onde funciona a companhia do Batalhão de Policiamento Turístico (BPTur) está caindo aos pedaços, necessitando de uma reforma urgente.  Os policiais que ali trabalham e que têm armas da PM “acauteladas”, terão que entregá-las para que os novos soldados possam usá-las.  A ida de Camilo a Jeri é para “limpar a barra” da imagem do Ceará após o escândalo de agressão a um maquiador da Rede Globo e da denúncia de insegurança feita pela atriz Luana Piovani.

A FALA DE VALIM

Valim Valim

Deputado federal Vitor Valim (PMDB) voltou a ocupar a tribuna da Câmara dos Deputados, em Brasília, para mais uma vez denunciar a violência que domina o estado do Ceará. Segundo o parlamentar, e de acordo com o que revelam os números, de janeiro a outubro, os índices da criminalidade já superara as taxas registradas em todo o ano passado. Valim denuncia o momento de insegurança vivido pelo cearense. Já são mais de 4.200 casos de Crimes Violentos, Letais e Intencionais (CVLIs), que representam os homicídios, latrocínios (roubos seguidos de morte) e lesões corporais que resultam em óbito. O jovem peemedebista tem se destacado ao lado do Cabo Sabino (PR) naquela casa legislativa. Seu tom de discurso tem sido centrado na questão da Segurança Pública.  Ele faz críticas ao modelo que o governo estadual adotou e que não vem surtindo o efeito desejado pela população: a redução da criminalidade.

E TEM MAIS:

* Polícia Rodoviária Federal no Ceará (PRF-CE) está engajada numa campanha humanitária em favos das crianças portadoras de câncer. O órgão vem recebendo donativos da população para que alimentos, roupas, remédios e brinquedos sejam destinados às crianças com a enfermidade.  Em Fortaleza, as doações são na sede da PRF (BR-116, bairro Cajazeiras). No interior, nos postos.

* Está em análise no laboratório de DNA da Perícia Forense do Estado do Ceará (Pefoce) o material recolhido pelos peritos e policiais num suposto cemitério clandestino localizado, na semana passada, no Jangurussu. Polícia investiga se corpos foram enterrados ali por criminosos de facções.  Ossos que seriam humanos foram encontrados em covas rasas.

* Em conclusão os cursos que estão sendo promovidos pelo Comando de Policiamento Especializado (CPE).  Militares do Batalhão de Polícia de Choque estão cada vez mais, se aperfeiçoando em técnicas de controle de distúrbios civis, policiamento rural e outras modalidades próprias as tropas especiais. No comando está o “caveira” número um da PM cearense, coronel Aginaldo Oliveira, formado no BOPE e com várias especializações mundo afora.

* Um crime de pistolagem assustou, na manhã desta sexta-feira (3), os moradores do Distrito de Lima Campos, no Município de Icó (a 375Km de Fortaleza). Uma dupla armada invadiu um mercadinho e matou friamente o comerciante. População amedrontada. Polícia Militar já está no encalço dos criminosos. Capitão Hauryson Cavalcante promete não parar até prender os assassinos.

* Causa estranheza à população de Chorozinho o silêncio das autoridades policiais sobre o atentado sofrido, na semana passada, pelo radialista Cleibo Santos, que teve sua casa invadida por pistoleiros e seu estúdio destruído. Os bandidos também tentaram matar o repórter  Assis matos, que sofreu cinco tiros e está hospitalizado em Fortaleza. Nem um registro foi feito pela delegacia daquela cidade.

EA PERGUNTA DO DIA: A superlotação de presos na Delegacia de Capturas e Polinter (Decap), em pleno Centro de Fortaleza, continuará até quando???