Levando a sério o jornalismo 24 horas por dia.

Homicidômetro - Assassinatos no Ceará em 2019

491 em 22/3/2019  

Após a morte de reféns, secretário de Segurança entra de férias e procurador diz que operação foi "um fracasso"

André Costa 55 PLácido Rios 1

Costa preferiu não acompanhar a investigação. Rios designou 10 promotores para apurar

Após a operação da Polícia cearense que deixou o saldo de 14 mortos na cidade de Milagres (a 494Km de Fortaleza), o secretário da Segurança Pública e Defesa Social do Ceará, delegado federal André Costa, decidiu entrar de férias. Foi curtir o fim de ano nas praias de Alagoas, deixando para trás uma complicada investigação que vai apurar a conduta de agentes que resultou na execução de seis reféns.

O governador do estado, Camilo Santana (PT), não comentou sobre as férias do secretário, e ainda não disse que Costa continuará no cargo. Camilo decidiu ser mais ágil que o titular da SSPDS. No fim de semana se reuniu, no Palácio da Abolição, com o controlador-geral de Disciplina dos Órgãos da Segurança Pública e do Sistema Penitenciário, e exigiu uma ampla e rígida investigação sobre a operação em Milagres.

Já o Ministério Público Estadual criou uma comissão especial que vai apurar a morte dos reféns. Em entrevista nesta segunda-feira (10), o procurador-geral de Justiça, Plácido Barroso Rios, considerou que a operação para a prisão de assaltantes de bancos em Milagres, “foi um fracasso”. Ele designou, de imediato, o grupo especial que vai apurar a morte dos reféns.

Investigar

O grupo do MPE é composto por 10 promotores de Justiça. São eles: Humberto Ibiapina, Gomes Câmara, Luciana de Aquino, Fernanda Andrade, Manuel Pinheiro, Nelson Gesteira, Juliana Mota, Daniel Ferreira e Leonardo Marinho, todos designados pelo procurador-geral, além do titular da Promotoria da Comarca de Milagres, Muriel Vasconcelos.

“Não estamos abrindo uma investigação paralela, estamos trabalhando em comunhão de esforços com a Polícia para acompanhar e, se entender necessário, requisitar novos meios de prova, pois, ao final, caberá ao Ministério Público receber todo o material colhido para atuar conforme o que for apurado”, disse Plácido Rios.