Levando a sério o jornalismo 24 horas por dia.

Homicidômetro - Assassinatos no Ceará em 2020

1.915 em 30/05/2020

Após a ameaça de greve de PMs e bombeiros, policiais civis, peritos e agentes penitenciários se mobilizam para protestos

Greve PC 1

Policiais civis estão mobilizados neste fim de semana para tratar do ajuste salarial

Após o protesto de policiais e bombeiros militares por melhores salários, mais três categorias de servidores da Segurança Pública estão se mobilizando para iniciar iniciarem, nos próximos dias, manifestações com o objetivo de pressionar o governo a rever os reajustes de vencimentos. Policiais civis, peritos criminais e agentes penitenciários realizam reuniões e deverão também sair às ruas da Capital.
Os peritos criminais auxiliares já realizaram reuniões para discutir o reajuste proposto pelo governo do estado no “Pacote de Valorização dos Servidores da Segurança Pública” e ficaram insatisfeitos com o que constataram. O fosso salarial entre os níveis da carreira geraram um descontentamento geral, além da grande diferença de vencimentos com os médicos legistas. A situação é ainda mais drástica em relação aos peritos criminais adjuntos e os auxiliares de perícia. A classe promete pressionar o governo a rever as tabelas e ameaça paralisar.
Já os policiais civis já estão engajados na mobilização e realizarão, a partir deste sábado (8), reuniões para definir os rumos que tomarão para a pressão contra a proposta apresentada pelo governo. “A reunião (de amanhã) será para informarmos a categoria todos os nossos passos em busca da nossa valorização. Mostrando o porquê de todos os nossos passos”, informou Brito Júnior, presidente do Sindicato dos Policiais Civis do Ceará (Sinpol).
Agentes também
No caso dos agentes penitenciários, a situação é ainda mais grave, segundo eles. Pelas redes sociais eles informam que estarão se mobilizando nas próximas horas para exigir do governo do estado a melhoria salarial diante de vários cortes de gratificações que foram realizados com a nova gestão da Secretaria da Administração Penitenciária (SAP).
De acordo com as denúncias, várias gratificações que os agentes tinham foram cortadas recentemente. “O cálculo do adicional noturno foi alterado e aí a maioria dos agentes perdeu, de cara, R$ 500,00 no salário, fora a inflação de um salário congelado há cinco anos”, revelou um dos agentes nas redes sociais.
“Depois de muito trabalho para disciplinar o Sistema Penal, e a falta de valorização e reconhecimento, o governo nos premiou com uma redução salarial”, comentou outro servidor.